A- A+

Artigos Médicos

André Cunha Pereira de Oliveira

André Cunha Pereira de Oliveira

CRM-PB: 6687 Especialidade: Hematologia e hemoterapia

Doe sangue, salve vidas

Publicada em 22/06/2018 às 18h

Comemorou-se em 14 de junho o Dia Mundial do Doador de Sangue. A data foi escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no ano de 2005, em homenagem ao cientista austríaco Karl Landsteiner, pela descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e RH. Esta descoberta marca o início da hemoterapia moderna, permitindo a transfusão sanguínea com um mínimo de critério de compatibilidade.

A doação de sangue é o ato de doar o sangue a um serviço de hemoterapia ou banco de sangue para que seja utilizado para transfusão subsequente em pacientes clínicos ou cirúrgicos, de acordo com a indicação médica.

Hoje no Brasil, a doação é realizada de forma voluntária, porém, ao contrário da Europa, nem sempre foi assim. Até meados de 1980, a doação a bancos de sangue, públicos e privados, era remunerada. De maneira oposta ao que possa parecer para alguns, isto traz de forma agregada uma desvantagem enorme, estimula a doação sem critérios, aumentando riscos para doadores e pacientes transfundidos.

A doação é um ato altruísta e de amor. Diversas vidas das mais diferentes idades dependem das doações realizadas diariamente no país. Procure o hemocentro de sua cidade para ser um doador e salve também uma vida!

Para ser um doador, basta:

  • Estar em boas condições de saúde.
  • Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos.
  • Pesar no mínimo 50kg.
  • Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas).
  • Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação).
  • Apresentar documento original com foto recente, que permita a identificação do candidato, emitido por órgão oficial (carteira de identidade, cartão de identidade de profissional liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social).


Existem também situações em que o doador pode ser impedido de realizar a doação. O impedimento é feito tanto para a sua segurança quanto para a do receptor. Procure um hemocentro, faça a consulta na triagem, seja honesto na entrevista. O objetivo do triador sempre vai ser a segurança do procedimento para você e para o paciente.