A- A+

Artigos Médicos

Maria do Desterro Leiros da Costa

Maria do Desterro Leiros da Costa

CRM-PB: 2649 Especialidade: Neurologista

Espiritualidade na prática médica

Publicada em 28/09/2008 às 00h00
A prática médica envolve lidar com pessoas em crise. A doença afeta tanto o paciente como os seus familiares e o médico, imerso neste contexto, com freqUência desenvolve ansiedade e depressão, que são somatizadas através de diversos sintomas físicos. No cuidado com o outro, o médico geralmente negligencia o cuidado consigo.

Estudos recentes têm abordado enfaticamente o papel da fé e da prática da espiritualidade como fatores de prevenção do estresse do médico e como modificadores favoráveis do tratamento e do prognóstico do paciente (4,7). Evidências científicas comprovam que atividades regulares de meditação e oração transformam a realidade, tanto do médico como do paciente (2,6). Pesquisas com neuroimagem funcional mostram que a prática da meditação estimula a atividade cerebral, particularmente das áreas límbicas - aquelas relacionadas à regulação das emoções e do comportamento (1,5). Estímulos destas áreas através da meditação promovem neuroplasticidade, um aumento da massa encefálica que reflete a resposta estrutural do cérebro a esta prática (3).

Questões espirituais, freqUentemente, surgem no cuidado com o paciente e o médico, quando preparado para atendê-las, pode dar ao seu paciente um tratamento mais pleno por abordá-lo não apenas na dimensão física, mas também na espiritual.

É importante que se faça uma distinção entre espiritualidade e religião. A espiritualidade transcende as questões religiosas; o reconhecimento de um Deus como criador da vida e do universo e como alguém interessado em interagir com o ser humano em amor são as grandes diretrizes da prática da espiritualidade e estão acima de qualquer dogma ou doutrina. A filosofia de Cristo, abordada de forma supra-religiosa, tem as respostas para as questões mais íntimas da alma humana e pode fornecer para o médico e para o paciente o suporte para o enfrentamento das questões relacionadas à saúde, à doença e à morte.

Referências bibliográficas:

1-Brefczynski-Lewis JA, Lutz A, Schaefer HS, Levinson DB, Davidson RJ. Neural correlates of attentional expertise in long-term meditation practitioners. Proc Natl Acad Sci U S A. 2007;104(27):11483-8.

2-Holland JM, Neimeyer RA. Reducing the risk of burnout in end-of-life care settings: the role of daily spiritual experiences and training. Palliat Support Care. 2005;3(3):173-81.

3-Lazar SW, Kerr CE, Wasserman RH, Gray JR, Greve DN, Treadway MT, McGarvey M, Quinn BT, Dusek JA, Benson H, Rauch SL, Moore CI, Fischl B. Meditation experience is associated with increased cortical thickness. Neuroreport. 2005 Nov 28;16(17):1893-7.

4-Morgan PD, Gaston-Johansson F, Mock V. Spiritual well-being, religious coping, and the quality of life of African American breast cancer treatment: a pilot study. ABNF J. 2006;17(2):73-7.

5-Orme-Johnson DW, Schneider RH, Son YD, Nidich S, Cho ZH. Neuroimaging of meditation"s effect on brain reactivity to pain. Neuroreport. 2006 Aug 21;17(12):1359-63.

6-Sulmasy DP. Spiritual issues in the care of dying patients: "". . . it"s okay between me and god"". JAMA. 2006 Sep 20;296(11):1385-92.

7-Wang CW, Chan CL, Ng SM, Ho AH. The impact of spirituality on health-related quality of life among Chinese older adults with vision impairment. Aging Ment Health. 2008 Mar;12(2):267-75.

Mais artigos de Maria do Desterro Leiros da Costa