A- A+

Artigos Médicos

Maria Roberta Melo Pereira Soares

Maria Roberta Melo Pereira Soares

CRM-PB: 7883 Especialidade: Reumatologista

Prevenção da osteoporose

Publicada em 23/02/2018 às 18h

Osteoporose é a doença óssea com maior incidência mundial e cuja principal característica é o aumento do risco de fraturas. Está associada ao envelhecimento e pode ocorrer também secundária a outras doenças sistêmicas e condições de saúde que aceleram a perda de massa óssea. A osteoporose não causa dores, a não ser na ocorrência de fratura. O diagnóstico é feito pela densitometria óssea.

 

Ocorre principalmente em idosos e mulheres após a menopausa. As mulheres brancas, magras, sedentárias e asiáticas são as mais acometidas. Também são fatores de risco história familiar de osteoporose e fratura do fêmur, dieta pobre em cálcio, baixa exposição solar para produção da vitamina D, menopausa precoce, tabagismo, etilismo, uso prolongado de corticoides e anticonvulsivantes, hipertireoidismo e outros distúrbios hormonais, artrite reumatoide e espondilite anquilosante, e cirurgia bariátrica.

 

Portanto, a prevenção da osteoporose começa desde a infância e deve ser mantida por toda a vida, com a ingesta correta de alimentos ricos em cálcio (leite e derivados, espinafre, brócolis) e a prática regular de atividade física. Recomenda-se a ingesta de pelo menos 1g de cálcio ao dia, o que representa 3-4 porções de leite ou derivados. A reposição hormonal é indicada em determinados casos de menopausa precoce. Deve-se evitar o tabagismo e consumo de bebida alcóolica. No caso de uso de medicamentos que aceleram a perda óssea, deve-se estar atento à prevenção com cálcio, vitamina D, atividade física, assim como nas cirurgias bariátricas e doenças reumáticas.

 

É muito importante também a prevenção de quedas nos idosos para reduzir fraturas, com adaptação do domicílio com apoios nos banheiros, evitar tapetes ou outros objetos em que possam tropeçar e cair, e uso abusivo de sedativos.

 

Devido à elevação da expectativa de vida da população no mundo, os custos associados às fraturas e, principalmente, às sequelas e mortalidade serão muito elevados. Prevenir é preciso!