A- A+

Artigos Médicos

Roxana de Almeida Roque Fontes Silva

Roxana de Almeida Roque Fontes Silva

CRM-PB: 4819 Especialidade: Pediatra

Disfunção Miccional: “Meu filho faz xixi na cama”

Publicada em 13/10/2017 às 18h00

Quem não conhece uma criança que faz “xixi na cama”? Quem nunca viu uma criança “esquecer de fazer xixi” porque estava brincando? Qual professor de educação infantil nunca teve um aluno que pedia para fazer xixi a cada meia hora? Tudo isso pode ser manifestação de disfunção miccional.

As disfunções miccionais são problemas relacionados ao armazenamento de urina e ao esvaziamento da bexiga, que afetam crianças neurologicamente normais. Acredita-se que 15% das crianças e adolescentes apresentem manifestações desse problema.

Segundo a International Children’s Continence Society (ICCS), as disfunções miccionais podem ser divididas em 2 grupos: diurnos, cuja manifestação mais comum é a incontinência urinária (perdas involuntárias de urina); e noturnos, manifestados por enurese (fazer xixi na cama sem perceber). Os sintomas podem ser isolados ou não. Dentre as disfunções miccionais, a enurese monossintomática é a mais frequente, afetando cerca de 14% de crianças saudáveis. É mais comum no sexo masculino.

As crianças começam a ter controle da urina à noite a partir dos 3 anos e por volta dos 6 anos a maioria delas já parou de fazer “xixi na cama”. Se a criança tem mais de 7 anos e continua molhando os lençóis sem perceber, os pais devem ficar alerta, principalmente se há casos semelhantes na família. A enurese é hereditária!

O hormônio responsável pelo controle noturno da micção é o hormônio antidiurético (ADH). Ele é liberado durante sono profundo e atua diminuindo a produção de urina pelos rins durante a noite. Nas crianças com enurese, a liberação desse hormônio, durante o sono, está prejudicada. Elas não fazem “xixi na cama” porque querem, sendo assim, castigos, punições ou presentes não resolverão o problema.

Caracteristicamente, são crianças “boas de cama”: dormem muito e têm o sono pesado. Além disso, estudos psicológicos mostram que são ansiosas, amorosas e inteligentes.

As disfunções miccionais, especialmente a enurese, não podem ser negligenciadas, pois podem levar a dificuldade de relacionamento social e sofrimento psicológico.

Fisioterapias específicas para o trato urinário, medicações, psicoterapia e mudanças de hábitos de vida fazem parte do arsenal terapêutico para as disfunções miccionais. Se seu filho faz “xixi na cama”, ele precisa de ajuda!