A- A+

Artigos Médicos

Sebastião Aires de Queiroz

Sebastião Aires de Queiroz

CRM-PB: 475 Especialidade: Pediatra e médico do trabalho

Língua presa e Teste da Linguinha

Publicada em 09/12/2016 às 17h00

O freio lingual é uma prega membranosa que se insere embaixo da língua e a conecta ao assoalho bucal. "Língua presa" é uma anomalia não superada durante a gestação, que se apresenta sob a forma de um freio curto, com inserção anteriorizada, e que restringe o movimento da língua, responsável por importantes funções na sucção, mastigação, deglutição e participação na futura fala das crianças.

Existem casos de variados graus. Quando o "frênulo" (freio) está fixado próximo à "ponta da língua", esta tem aparência bifurcada, e há situações em que as crianças não conseguem exteriorizar a língua, e quando o fazem, forma-se um sulco no dorso do órgão que lhe dá a configuração de um coração. Essa má-formação incide sobre 10% a 11% das crianças nascidas, segundo a "Association of Tongue-Tie Practitioners" (USA), para a qual apenas metade desse contingente poderá gerar transtornos na amamentação e posterior comprometimento da articulação verbal. É que a prega mucosa desenvolve-se conforme a criança cresce, ou então se adapta às restrições da patologia. Suas causas podem ser desconhecidas ou terem origem genética, mas o distúrbio pode ocorrer em bebês sem antecedentes familiares.

Na maioria dos casos, o bebê não consegue sugar bem o leite da mãe durante a lactação, o que compromete a nutrição. Em outros, surgem espaçamento entre os dentes da arcada inferior, e posterior dificuldade de articulação de certos fonemas, com consequentes constrangimentos pessoais ou sociais para as crianças, devidos à maneira particular com que se expressam ("bullying").

O diagnóstico da patologia é firmado pelo pediatra ou otorrinolaringologista, mas também por odontopediatras e fonoaudiólogos. Baseia-se no "Teste da Linguinha", que é gratuito. Consiste, fundamentalmente, no exame da boca do bebê, em repouso, e de sua língua, durante o choro, com simultânea avaliação anatômica (espessura, fixação na base da boca) e funcional (interferência na sucção e deglutição) do "frênulo".

A correção cirúrgica do problema dependerá de cada caso, e deverá ser feita no primeiro mês de vida. O comprimento do "frênulo" e o grau de limitação dos movimentos da língua é que ditarão a "frenectomia", intervenção de pequeno porte que se limita a uma incisão (corte) para liberação da língua, procedimento que não resulta em maiores agravos para a criança, já que a mucosa seccionada é pouco vascularizada e enervada, o que reduz possibilidade de sensação dolorosa e significativos sangramentos.