A- A+

Artigos Médicos

Thiago Lins Almeida

Thiago Lins Almeida

CRM-PB: 5878 Especialidade: Oncologia clínica

Risco de câncer e obesidade

Publicada em 16/09/2016 às 18h00

A obesidade é um dos maiores problemas de saúde da atualidade. Isso porque é o principal fator de risco responsável por diversas alterações cardiovasculares (infartos e derrames), metabólicas (diabetes) e psicossociais (ansiedade e depressão). Além disso, está diretamente implicada com o aumento de casos de câncer. Observou-se ainda que a obesidade infantil também aumenta o risco de câncer na vida adulta.

Já existem evidências suficientes da relação entre obesidade e o aumento do risco de 13 tipos de neoplasias malignas: câncer de cólon, esôfago, rim, mama (pós-menopausa), endométrio, estômago, fígado, vesícula biliar, pâncreas, ovário, tireoide, mieloma múltiplo e meningioma. A obesidade também está relacionada a piores resultados da eficácia no tratamento oncológico.

Como se prevenir?

A obesidade deve ser combatida diariamente, durante toda a vida. A adoção de hábitos saudáveis com dieta realmente funcional e a prática de exercícios físicos regulares permitem a redução deste risco. Por isso, dietas restritivas e de baixa caloria foram capazes de reduzir a incidência de câncer. Estes hábitos devem ser compreendidos e incorporados como "tratamento".

O que fazer?

Comece agora. Procure seu médico, faça um check-up cardiovascular e inicie cuidados nutricionais e atividade com exercícios físicos, regularmente. Idealmente, sempre com auxílio de profissional especializado.

Em resumo, quanto maior seu IMC, maior será o risco; e quanto melhor seu IMC, mais protegido você estará. Não são apenas os obesos que estão vulneráveis, mas indivíduos com "sobrepeso' também adquirem uma maior predisposição de risco. Prevenir é a melhor ação.