A- A+

Artigos Médicos

Antônio de Pádua Silveira

Antônio de Pádua Silveira

CRM-PB: 2960 Especialidade: Oftalmologista

Cuidados com os olhos na infância

Publicada em 11/01/2019 às 18h

Tendo em vista a alta expectativa e a qualidade de vida da criança e a grande influência da visão no seu desenvolvimento físico, educacional e psicossocial, percebe-se claramente a importância dos cuidados necessários com seu sistema visual. Estes cuidados devem ser observados logo após o nascimento, através de diagnóstico e intervenção nos casos que são passíveis de tratamento, já que o desenvolvimento da função visual tem início nos primeiros dias de vida e várias doenças acometem os olhos até os 10 anos de idade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem cerca de 1,4 milhão de crianças com deficiência visual no mundo, sendo que aproximadamente 90% destas vivem em países em desenvolvimento ou muito pobres. Estudos estatísticos revelam que cerca de 60% das causas de cegueira infantil são preveníveis e 20%, tratáveis. No Brasil, estima-se que, para cada um milhão de habitantes, 280 mil têm idade inferior a 16 anos e que existem cerca de 100 pessoas cegas e 300 com baixa de visão para cada um milhão de pessoas.

Durante a gestação e o período infantil, várias enfermidades oculares podem ser diagnosticadas, sendo as principais as doenças hereditárias, que têm o potencial de acometimento conhecido mesmo antes do nascimento, glaucoma, toxoplasmose, catarata, retinopatia da prematuridade, estrabismo, erros de refração que requerem o uso de óculos e retinoblastoma. Este último tem maior importância, pois como se trata de tumor maligno, além do distúrbio visual, pode influenciar na sobrevida da criança, com seu pico de incidência aos 18 meses de idade. Essencial observar que no Brasil cerca de 60% destes tumores só são diagnosticados tardiamente, quando não é mais possível salvar o olho ou até mesmo a vida da criança.

Em obediência à nossa Constituição de 1988 e às Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância, do Ministério da Saúde, criadas em 2016, várias cidades e Estados brasileiros já instituíram leis que obrigam a realização de um exame ocular simples, denominado Teste do Reflexo Vermelho, popularmente conhecido como ”Teste do Olhinho”, que deve ser realizado em todos os recém-nascidos. Este procedimento pode ser executado por qualquer profissional de saúde, treinado para tal, utilizando apenas um equipamento portátil, denominado oftalmoscópio direto.

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica preconiza que, além do Teste do Reflexo Vermelho, os exames oftalmológicos completos na infância devem ser realizados por oftalmologista a cada 6 meses durante os 2 primeiros anos de vida. Após esta idade, se não for detectado distúrbio ocular algum, anualmente até os 9 anos de idade.

Para que seja atingido o propósito almejado, ou seja, diminuir ao máximo o número de pessoas portadoras de cegueira ou com baixa de visão, faz-se necessário um trabalho multidisciplinar com todos os profissionais de saúde envolvidos com os cuidados das gestantes e das crianças.