A- A+

Artigos Médicos

José Lopes Filho

José Lopes Filho

CRM-PB: 6676 Especialidade: Neurocirurgia

Dor Lombar: quando procurar um especialista em coluna?

Publicada em 03/05/2019 às 18h

A dor lombar é um sintoma extremamente prevalente no nosso meio. 80 % da nossa população terá pelo menos um episódio de dor na coluna durante a vida. Vários fatores predispoem o surgimento de dores nas costas, tais como: herança genética, sobrepeso – obesidade, sedentarismo, tabagismo, atividade com carga excessiva ou de repetição na coluna e alterações degenerativas estruturais como escoliose ou deformidades cifóticas. 

A maioria dos paciente irá melhorar com tratamento clínico otimizado a base de analgésicos, anti-inflamatórios e relaxante muscular associado fisioterapia analgésica. Nestes casos, não há necessidade de investigação complementar mais detalhada com exames de ressonância nuclear magnética, tomografia computadorizada, densitometria ou cintilografia óssea.

Porém, existe um subgrupo de pacientes de alto risco para lesão estrutural subjacente na coluna vertebral que devemos ascender sinal de alerta (conhecido na literatura médica com Red Flags – bandeira vermelha). Os grupos de risco são pacientes:

-Maiores que 70 anos ou acima de 50 anos com história prévia de trauma;

-Infecção recente de urina ou de pele, quando associado à febre, calafrios e prostração;
-Dor associada a déficit neurológico motor e sensitivo, tais como paraparesia (dificuldade para caminhar), alteração esfincteriana (retenção urinária);
-Dor noturna na coluna associada à perda de peso, principalmente quando houver história pregressa ou suspeita de câncer;
-Pacientes portadores de osteoporose ou osteopenia; pacientes imunosuprimidos ou usuário crônico de corticoide;
-Usuários de drogas intravenosas ou abuso de substância psicoativa;
-Dor refratária ao melhor tratamento clínico por mais de 6 semanas.

Em paralelo existe outro subgrupo de pacientes que apresentam tendência a cronificar a dor e de pouca melhora com tratamento médico padrão, exigindo medicações específicas. São conhecidos como Yellow Flags (bandeiras amarelas). Os grupos de risco são pacientes:

-Depressivos, com humor deprimido e isolamento social;
-Ganhos trabalhistas secundários;
-Insatisfação no emprego e problemas no trabalho,
-Turbulência familiar e brigas domésticas;
-Não adesão ao tratamento médico recomendado, associado ao sedentarismo.

Esse grupo de paciente de alto risco para lesão estrutura subjacente na coluna devem passar por avaliação médica especializada por cirurgião de coluna vertebral e realizar exames complementares específicos para definição diagnóstica e tratamento apropriado.