A- A+

Artigos Médicos

Maria de Fátima Duques

Maria de Fátima Duques

CRM-PB: 2638 Especialidade: Gastroenterologista

Hepatites virais em tempos de coronavírus

Publicada em 31/07/2020 às 18h

Estamos por enquanto submissos ao SARS Cov-2, esse novo vírus que vem devastando o mundo e particularmente os países que enfrentaram incorretamente a pandemia de COVID-19 como ainda ocorre no Brasil. Entretanto, a vida e o mundo não pararam e as hepatites pelos vírus B e C não podem ser esquecidas, pois são doenças de impacto na saúde da população.

Acabamos de passar pelo 28 de julho, dia mundial de conscientização das hepatites virais. Muitos países usam o mês, chamado de julho amarelo, para colocar os holofotes sobre essas duas doenças silenciosas que podem tornar-se crônicas, evoluindo em muitos casos para a cirrose e o câncer de fígado.

A informação é a melhor maneira de defender-se, prevenindo a infecção e procurando tratamento ao infectar-se. Há aspectos comuns e algumas diferenças importantes entre as hepatites B e C.

A hepatite B é transmitida pelo sangue e sexualmente, podendo ser adquirida também em instrumentos perfuro-cortantes como alicates de unha, agulhas de tatuagem ou de seringas ou mesmo procedimentos médicos-dentários se não forem descartáveis ou se mal esterilizados. Por isso é importante usar camisinha, o que evitará também doenças como HIV-AIDS e outras. A boa notícia é que existe vacina contra a hepatite B, disponível no SUS.

A transmissão das hepatites virais da gestante para o bebê (vertical ) também é frequente e felizmente a transfusão de sangue deixou de ser arriscada.

Já a hepatite C tem transmissão sexual rara, sendo mais frequente pelo sangue devido instrumentos perfuro-cortantes contaminados, sendo muito comum em pessoas que compartilham seringas com outras, como os usuários de drogas injetáveis. Mas cuidado, compartilhar alicates, agulhas, barbeadores e até escovas de dentes pode transmitir a doença. E contra a hepatite C infelizmente não há vacina.

Como diagnosticar? Testar! Peça a qualquer médico para solicitar exames para hepatite B (HBsAg) e para hepatite C (anti HCV). Se positivo, procure um médico ou serviço capacitado para dar sequência à investigação e tratamento.

O SUS, desvalorizado por muitos, fornece as medicações gratuitamente. Como tem ocorrido nesse gigantesco problema que tem sido a pandemia, também nas hepatites virais ele mostra sua força e serventia à população.