Artigos Médicos

Entendendo a dependência tabágica

Publicada em 23/05/2014 às 17h

O hábito de fumar não se resume ao prazer fugaz produzido pela ação dopamínica da nicotina. Ele é essencialmente um novo comportamento inserido na rotina de vida do fumante.

O tabagismo envolve duas dependências:

1 - Física, de natureza biológica, que está ligada aos sintomas da Síndrome de Abstinência da Nicotina, quando o tabagista tenta largar o cigarro.

2 - Psicossocial, que está relacionada ao mecanismo de adaptação para lidar com situações como solidão, frustração, pressões sociais; a hábitos de comportamento com o fumar (fumar e dirigir, pós cafézinho e refeições, álcool, fumar e trabalhar); ao aumento do consumo nas ansiedades, distonias e depressões; e a situações de ruptura da harmonia emocional, produzida pelos estresses do dia a dia.

Tratar o tabagismo não se restringe apenas à redução da vontade de fumar (abordagem medicamentosa). O sucesso de um programa de cessação do tabagismo está na sua capacidade de romper com a dependência psicossocial, objetivo essencial da Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC ). As muitas frustrações no tratamento medicamentoso estão conectadas com a ausência de uma intervenção na dependência psicossocial.

Estudo realizado por Vasquez&Becoña conclui: "Em termos de estabilidade, 48,9% dos que participaram do tratamento com TCC permaneceram sem fumar após seis anos, enquanto apenas 28,8% do grupo controle continuavam abstêmios".

A nossa experiência com o Programa de Cessação do Tabagismo que alia a TCC à abordagem medicamentosa nos estimula a afirmar que, em cada grupo de 10 tabagistas, 8 permanecem sem fumar durante um ano.

Considerando a facilidade de acesso a um tratamento competente, largar o cigarro tornou-se uma mera questão de decisão do fumante.

No próximo sábado, 31 de maio, a Organização Mundial de Saúde comemora o Dia Mundial Sem Tabaco, uma bela data para se tomar uma bela decisão.

Sebastião de Oliveira Costa

Sebastião de Oliveira Costa

CRM-PB: 1630

Especialidade: Pneumologia

Mais artigos de Sebastião de Oliveira Costa