A- A+

Artigos Médicos

Fátima Cartaxo

Fátima Cartaxo

CRM-PB: 1615 Especialidade: Geriatra

Longevidade saudável

Publicada em 13/04/2017 às 18h00

A humanidade vive hoje o dobro do tempo vivido por seus ancestrais. Isto devido ao controle das doenças crônicas degenerativas, próprias do envelhecimento, do desenvolvimento dos novos medicamentos, entre outros fatores, que adiam o envelhecimento.

Supercontrolar as doenças crônicas para preservar a capacidade funcional e a autonomia física das pessoas idosas é o desafio deste século. A Organização Mundial da Saúde (OMS) define como incapacidade funcional a dificuldade promovida por uma deficiência para realizar atividades rotineiras.

Pesquisadores comprovam que, até o momento, o único método comprovado para retardar a velhice é a restrição de alimentos calóricos. A explicação é de que ao se transformar calorias em energia, esse processo desencadeia a produção de radicais livres, moléculas que em excesso danificam o organismo. Os vegetais e frutas ajudam a reverter os danos provocados pelo envelhecimento. As frutas vermelhas e o resveratrol encontrado nas cascas das uvas tintas têm a capacidade de reverter o processo oxidativo.

Ingerir cereais, grãos, pães e massas integrais dobra a chance de perder peso. Praticar exercícios físicos moderados e em caráter regular reforça os músculos e a capacidade cardiocirculatória. Se dorme mal, os sinais do envelhecimento vão aparecer mais cedo, como rugas, manchas e flacidez. Quando o cérebro está ativo, imerso em atividades intelectuais, ou seja, quanto mais neurônios são usados, mais forte fica a conexão, entre ele, portanto melhora a memória.