A- A+

Artigos Médicos

Christiane Ferrer Arruda

Christiane Ferrer Arruda

CRM-PB: 5220 Especialidade: Alergia e imunologia

Rinite alérgica

Publicada em 17/07/2015 às 17h

A rinite alérgica é uma doença respiratória de elevada incidência no inverno. Trata-se de uma inflamação da mucosa nasal que se manifesta com quadro de coriza, espirros, obstrução nasal e prurido em nariz e palato.

Apesar de não ser grave, pode se tornar muito incômoda. É causada por uma resposta imunológica a agentes inofensivos para os indivíduos sem esta hipersensibilidade, tais como poeira domiciliar, ácaros, fungos e pólens, ou ainda, por uma reação a condições irritantes da mucosa respiratória como fumaça, cheiros fortes, frio excessivo ou alterações bruscas de temperatura. Pode ocorrer associada a sintomas oculares, como lacrimejamento e prurido; pode causar sinusite, se não for devidamente tratada; bem como crises de asma nos pacientes que também são asmáticos.

É importante diferenciá-la de resfriados, que apresentam os mesmos sintomas da rinite, mas também apresentam febre e mal-estar geral em seu quadro clínico. Além disso, o resfriado é uma doença viral e, por isso, é transmissível enquanto a rinite não é contagiosa.

O tratamento clínico, seja com medicamentos ou com vacinas, precisa estar aliado a medidas preventivas durante todo o ano. Um cuidado especial se faz necessário no inverno ou períodos chuvosos, pois é nessas condições que os ambientes fechados e sem exposição ao sol acumulam uma grande concentração de ácaros e fungos. Estas medidas preventivas incluem a limpeza cuidadosa dos cômodos com pano úmido, bem como de cortinas, tapetes e sofás; o uso de capas antiácaros em colchões e travesseiros; lavagem e exposição ao sol de roupas de frio guardadas por muito tempo antes de usá-las; a abertura de janelas para permitir circulação de ar e entrada de sol nos ambientes e, se possível, distanciamento de fumaça e odores fortes.