A- A+

Artigos Médicos

Mário de Almeida Pereira Coutinho

Mário de Almeida Pereira Coutinho

CRM-PB: 5420 Especialidade: Endocrinologista

Como detectar e prevenir o diabetes

Publicada em 26/07/2019 às 18h

O diabetes vem crescendo rapidamente no Brasil. Nosso país já alcançou a quarta posição em número de diabéticos do mundo, de acordo com dados da Federação Internacional de Diabetes (IDF). São cerca de 12,5 milhões de brasileiros afetados, segundo o Ministério da Saúde, representando cerca de 7% da população. No mundo, esse número chega a 422 milhões de adultos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O diabetes possui vários tipos, mas os principais são o tipo I e tipo II. O tipo I é aquele em que o paciente precisa utilizar insulina rapidamente e que tem início principalmente na infância e adolescência. O tipo II é mais brando e ocorre na idade adulta. Nesse tipo de diabetes, o tratamento com comprimidos é eficaz por muitos anos e, dependendo do paciente e de seus hábitos, pode nem precisar de insulina. É esse tipo de diabetes que está diretamente relacionado ao ganho de peso e aos maus hábitos de alimentação e ao sedentarismo.

Como forma de prevenção do diabetes, podemos melhorar a qualidade da alimentação, evitando produtos ricos em carboidratos, como doces e massas, bebidas adoçadas, produtos industrializados, entre outros, além de mantermos uma rotina de exercícios físicos. Esses hábitos são extremamente eficazes, principalmente se o paciente já teve algum exame de rastreamento do diabetes alterado.

O diagnóstico do diabetes é sempre realizado por exames laboratoriais, mas alguns sinais, como sede aumentada, urina em excesso, perda de peso, indisposição podem ocorrer. Mas é importante salientar que esses sintomas só ocorrem quando os níveis de glicose estão bastante elevados e geralmente só são percebidos quando o diabetes já está presente há alguns anos. Por esse motivo, é importante sempre inserir pelo menos a glicemia de jejum nos exames de rotina para detectar precocemente o diabetes. Uma vez detectado, o tratamento sempre envolve melhora da dieta e atividade física, mesmo que não sejam necessárias medicações no primeiro momento.