A- A+

Blog da Saúde

Cuidados contribuem para uma gestação saudável após os 35 anos

Publicada em 22/07/2019 às 07h
Cuidados contribuem para uma gestação saudável após os 35 anos

Muitos casais optam por ter filhos mais tarde, e a idade é um fator que faz a diferença para a gestante. A idade da mulher pode ser um dificultador nos processos da concepção, gestação e parto, de acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologista e Obstetrícia (Febrasgo), já que o óvulo envelhece à medida que a mulher vai ficando mais velha também.

Ou seja, a partir dos 30 anos, a taxa de fertilidade começa a cair. A partir dos 35 anos, esse processo acelera e a mulher pode começar a sentir dificuldades para engravidar, e os riscos de aborto espontâneo e de o bebê nascer com algum tipo de má formação também aumentam.


Mas isso não é motivo para alarde, afinal, são incontáveis as mulheres que engravidam de forma natural após os 35 e até aos 40 anos. Se você faz parte do time que cuida da saúde, faz atividade física e tem uma alimentação saudável e sem vícios, já ganha pontos tanto para facilitar uma gravidez e, principalmente, para levar a gestação adiante.

Ou seja, a opção de postergar a maternidade pode ser necessária, mas manter-se atenta e buscar uma gestação tão logo seja possível, tende a minimizar dificuldades e estresse futuros.

  • Gravidez tardia saudável

Cuidar da saúde e contar sempre com a orientação médica são fatores fundamentais para levar mais tranquilidade a essa gestação.

  •  Consulta pré-concepcional

Tão logo o desejo de engravidar apareça e as condições sejam propícias, a primeira atitude a se tomar deve ser procurar um médico ginecologista, para fazer um bom planejamento da gravidez. Afinal, segundo os especialistas, o pré-natal deve começar antes mesmo de a mulher engravidar, com uma consulta pré-concepcional.
Nessa consulta, o ideal é que o casal compareça, pois ela poderá servir principalmente para conhecer o histórico de saúde dos dois, permitindo acompanhar melhor a futura gestante e o bebê que estará a caminho.

  • Investigação com exames são fundamentais

Alterações como colesterol e triglicérides altos, diabetes e hipertensão não costumam ser impeditivas para a gestação, mas será fundamental controlar a doença antes de engravidar, tanto para melhorar a fertilidade como para ter uma gestação mais tranquila e um bebê saudável.
Também é importante que doenças infecciosas sejam tratadas ou prevenidas antes da concepção. Sendo assim, uma série de exames para detecção dessas enfermidades geralmente é solicitada pelo médico antes de se tentar engravidar. Um hemograma completo, por exemplo, ainda é capaz de avaliar graus de anemia e permitir tratá-la, e exames de ultrassonografia também podem ser importantes para afastar alterações que possam dificultar a concepção.

  • Dieta e suplementação

Você não precisa esperar engravidar para fazer a suplementação com ácido fólico, importante para prevenir alterações do tubo neural do feto. A suplementação sob prescrição e orientação médica é recomendada três meses antes de você tentar engravidar.

Com informações da Unimed do Brasil

Confira dicas para cuidar da saúde durante o período de inverno

Publicada em 18/07/2019 às 07h
Confira dicas para cuidar da saúde durante o período de inverno


Basta que o frio chegue para que alguns problemas de saúde comecem a se manifestar. No inverno, além dos termômetros estarem comumente em queda, o tempo seco, o aumento dos índices de poluição e as mudanças bruscas de temperatura são inimigos até de quem não tem nenhuma doença crônica.


Não são apenas os corriqueiros resfriados que costumam atrapalhar o dia a dia das pessoas nessa época do ano. Doenças respiratórias e cardiovasculares surgem com maior frequência. A pele também é afetada e dá motivo para buscar atendimento médico.


Agir preventivamente é essencial para combater as doenças de inverno. De maneira geral, os especialistas recomendam ter uma alimentação equilibrada e rica em vegetais, não esquecer de ingerir água mesmo sem que a sede se manifeste, manter-se agasalhado e praticar atividade física regularmente.


CUIDE-SE

Conheça melhor os principais riscos à saúde e veja o que é possível fazer para se cuidar nesses meses mais gelados:

  • Doenças respiratórias

Gripes e resfriados costumam aparecer mais nessa época. É quando as pessoas se concentram mais em ambientes fechados, o que favorece a circulação de vírus, entre eles, o Influenza. O que pode parecer algo simples de se tratar, pode evoluir para problemas mais graves, como a pneumonia. Além de se vacinar contra a gripe anualmente, sobretudo as populações de risco (como idosos e crianças pequenas), alguns cuidados são recomendados pelos médicos. O mais comum e simples de se praticar é lavar as mãos frequentemente, sobretudo após tocar em corrimões, maçanetas, catracas e outros objetos em que muitas pessoas costumam segurar, pois o vírus permanece vivo por até 10 horas.
Apesar de não ser transmissível, a rinite alérgica também costuma incomodar bastante no inverno devido ao aumento de poeira e da poluição. Cuidados preventivos, como lavar o nariz com soro diversas vezes ao dia e evitar contato com agentes das causas alérgicas, por exemplo, o pó que se acumula dentro de casa, são essenciais.

  • Doenças cardiovasculares

As baixas temperaturas favorecem a contração dos vasos sanguíneos, que é a chamada de vasoconstrição. Com a dificuldade da circulação sanguínea e da chegada do sangue ao coração, podem ocorrer a angina, que é caracterizada por dor torácica, e o infarto. Segundo o Instituto Nacional de Cardiologia, os índices de infarto aumentam até 30% nos dias mais gelados.

A exposição ao frio também faz aumentar a pressão arterial e as concentrações de fibrinogênio, que estão relacionados à trombose. Pacientes portadores de aterosclerose, precisam de cuidado redobrado. Manter a pressão arterial sob controle, tomar água frequentemente, se exercitar com regularidade e manter-se bem agasalhado são orientações importantes para prevenir esses problemas.

  • Doenças dermatológicas

Não é apenas ressecamento que o frio causa à pele. Algumas doenças dermatológicas costumam incomodar no inverno. É o caso da dermatite seborreica, popularmente conhecida como caspa. A temperatura quente do chuveiro faz as glândulas sebáceas da pele produzirem mais oleosidade e, consequentemente, surgem a coceira e a caspa. As indicações médicas para combater o problema são lavar o cabelo diariamente e com água morna. É comum, ainda, a dermatite atópica, caracterizada por coceira, vermelhidão e descamação da pele. Banho morno e o uso regular de hidratante podem preveni-la.

Com informações da Unimed do Brasil

Oficina vai ensinar como cuidar bem da pele com 60 anos de idade ou mais

Publicada em 15/07/2019 às 07h
Oficina vai ensinar como cuidar bem da pele com 60 anos de idade ou mais

Cuidar da pele é buscar qualidade de vida e valorizar a autoestima, prevenindo agravos e proporcionando bem-estar. Mas, como cuidar melhor da pele na terceira idade? É isso o que mostrará a oficina “Cuidados com a pela aos 60 anos”. A atividade faz parte das ações do Grupo 60 + Feliz da Unimed João Pessoa.

A oficina abordará alguns cuidados necessários para uma pele saudável e oferecerá aos participantes uma orientação prática de limpeza facial. As inscrições já estão abertas. Para participar é muito fácil, basta, primeiro ser clientes da Unimed JP e já ter participado de alguma atividade do Grupo 60 + Feliz.

Se interessou? Então, faça sua inscrição pelos telefones 2106-0430 e 3506-8700 ou on line clicando aqui.


CONFIRA DICAS

Enquanto o dia da oficina não chega, confira algumas dicas de como cuidar da pele:

  • Evite tomar banho com água quente - Ficar muito tempo no chuveiro quente piora o ressecamento da pele do idoso. O ideal é que a água esteja no máximo morna
  • Use Hidratante - Usar hidratante fará bem para a ele, especialmente após o banho
  • Beba água - Na terceira idade, é normal sentir menos sede, mas é importante tomar água mesmo sem sentir sede. A dica é tomar pelo menos dois litros por dia
  • Use filtro solar - Usar filtro solar é muito importante, mas o uso de bonés, viseiras e óculos de sol também é indicado
    SERVIÇO


Oficina Cuidados com a Pele aos 60 anos

Data: 12/08/2019

Horário: 8h às 12h

Local: Viver Melhor

Público-alvo: clientes da Unimed João Pessoa acima de 60 anos de idade

Doar sangue é um gesto de amor ao próximo; veja como é importante

Publicada em 08/07/2019 às 10h
Doar sangue é um gesto de amor ao próximo; veja como é importante

Doar sangue é um ato de amor ao próximo. E mais do que isso. Ao fazer esse gesto, o doador pode dar esperança de vida e de saúde para quem mais precisa: pai, mãe, irmão, amigo ou mesmo uma pessoa que você nunca viu. Não importa quem será o beneficiado, mas sim, que outras pessoas terão novas oportunidades, novas chances de recomeçar a própria vida.
 

Para isso, melhor do que fazer a doação uma vez, é tornar esse gesto um compromisso, tornando-se um doador frequente. Os estoques dos bancos de sangue de todo o País precisam estar constantemente abastecidos para atender tanto quem estiver em situação de emergência (após um acidente, por exemplo), quanto para quem necessita de sangue com frequência (pacientes internados ou em tratamento de longo período) e ainda para cirurgias.


Atualmente, segundo o Ministério da Saúde, apenas 1,8% da população brasileira doa sangue regularmente? Por ano, são coletadas cerca de 3,7 milhões de bolsas. Embora estes números estejam dentro do parâmetro definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que prevê de 1% a 3% de população doadora, há períodos do ano em que as doações caem muito, deixando os estoques de sangue praticamente vazios.

 

MOTIVOS


Confira, abaixo, alguns motivos para doar: 

  1. Uma única doação pode salvar até quatro vidas
  2. Se você está em boas condições de saúde, doe. Afinal, é uma atitude simples, rápida e segura que pode ajudar até quatro pessoas. Vale lembrar que, quando alguém precisa de uma transfusão de sangue, só pode contar com a solidariedade de outras pessoas.
  3. Não existe substituto para o sangue
  4. A ciência avançou muito e fez inúmeras descobertas. Mas nenhum cientista ainda encontrou outra maneira de atender alguém que precise de sangue, além da doação. Existem alguns produtos sintéticos que podem até retardar uma transfusão, mas esse é um método paliativo e temporário, que não substitui o sangue humano.
  5. Não há risco de contrair doenças durante a doação
  6. Além de todo material utilizado durante a coleta ser esterilizado e descartável, todos os candidatos a doação são submetidos a uma entrevista clínica, onde serão avaliados os critérios de doação, conforme legislação vigente do Ministério da Saúde/Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Sendo assim, não há nenhum risco de contrair qualquer doença durante a doação.
  7. Seu organismo repõe rapidamente o sangue doado
  8. Um adulto, seja do sexo masculino ou feminino, possui em média cinco litros de sangue em seu corpo. E em uma doação são coletados no máximo 450 mililitros. Ou seja, menos de 10% de todo o sangue do seu organismo. Esse volume é reposto em 24 horas pelo organismo.

Com informações da Unimed do Brasil

Confira dicas para brincar com a criançada neste mês de férias

Publicada em 06/07/2019 às 12h
Confira dicas para brincar com a criançada neste mês de férias

As férias de julho chegaram e com elas geralmente bate aquela aflição de não saber o que fazer com as crianças que ficarão mais tempo em casa. E, para não deixá-las à frente da TV ou do celular e tablet o tempo todo, é preciso ter na manga brincadeiras estratégicas para fugir do tédio dentro de casa.
 

Antes de pensar em qualquer atividade com os pequenos, tenha certeza de uma coisa: manter a casa arrumada vai ser difícil. De acordo com especialistas da área de educação, é preciso deixar que as crianças brinquem sem se preocupar com a bagunça. E, no final do dia, pode-se arrumar tudo com a ajuda delas. Assim, até a arrumação pode ser divertida e compartilhada. Afinal, no ambiente escolar depois das brincadeiras, a sala sempre é arrumada novamente e com a colaboração de todos.


Aproveite esses momentos, esqueça o trabalho, as coisas por fazer e se dê o prazer de brincar com os pequenos, pois mais importante do que a escolha da brincadeira é mostrar opções e disposição para se divertir com elas.


HORA DE BRINCAR


Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), para cada idade existe o interesse em aspectos específicos. No início da vida prevalece a descoberta de cores, formatos e texturas. Mais tarde, a atenção se volta para jogos complexos que envolvem habilidades físicas, imaginação, disciplina e raciocínio lógico. Pensando nisso, selecionamos sete brincadeiras lúdicas, de acordo com a faixa etária, para entretê-las enquanto passam mais tempo com você.

  • Até dois anos

Atividades na banheira ou na minipiscina

O bom de colocar a criança para brincar na banheira ou na minipiscina é que ela pode ser colocada tanto em um cômodo qualquer da casa ou no próprio banheiro. E vale adicionar bichinhos, potinhos, livrinhos de plástico e acompanhar os pequenos na banheira com água morna. Como eles adoram a água, pode ser uma excelente distração, desde que se observe a temperatura da água para não deixar muito quente e nem espere esfriar para tirá-los.

Brincadeiras no chão

Coloque uma colcha no chão, acrescente alguns brinquedos e divirta-se com a criançada. Os brinquedos educativos são muito bem-vindos e distraem por bastante tempo. Só tome o cuidado de evitar os brinquedos muito pequenos, pois nessa fase as crianças tendem a colocar tudo na boca e podem se engasgar.

  •  A partir de dois anos (mas crianças de todas as idades adoram!)

Cabra-cega

Usa-se um lenço ou tecido para vendar os olhos da criança escolhida, roda-se ela em torno de si e logo que a solta, ‘a cabra-cega’ sai tentando pegar quem está por perto. A criança que for pega será a próxima cabra. É indicado para brincar em família. Aqui, quanto mais participantes, melhor.

Pinturas

Invista na criatividade dos pequenos. Eles podem desenhar, pintar e fazer o que vier de inspiração, usando papel, lápis de cor, giz de cera e até guache para desenhos. Os pais devem se programar para acompanhá-los durante a brincadeira. Este tipo de atividade serve para todas as faixas etárias, mas cada uma vai tomar a iniciativa de fazer a sua melhor ‘obra de arte’.

  • De três a seis anos

Loja de variedades

Pegue alguns produtos vendáveis de casa, construa dinheiro de papel, já pedindo a ajuda dos pequenos para desenhar ou pintar o valor nas cédulas. Um dos participantes vende a mercadoria e os demais se fazem passar por clientes comprando o produto. Mesmo que de forma lúdica, as crianças vão aprendendo a somar, subtrair, dividir e assim administrar o dinheiro.

Jogo dos pontinhos

Em uma folha, coloque vários pontinhos. Cada jogador, com uma cor de caneta, liga um ponto ao outro até que forme um quadrado. Ganha aquele que mais formar quadrados no jogo.

  • De sete a dez anos

Stop

Categorias de palavras e letras escritas em um papel. Cada participante ganha uma folha com as categorias - animal, flor, fruta, entre outras, juntamente com as letras que deverão iniciar as palavras. Todos tentam preencher tudo e aquele que terminar primeiro grita stop. Somam-se os pontos pelos acertos e ganha quem tiver mais pontos. Mas lembre-se que jogos de memória, dominó e casinha também são boas opções para essa faixa etária e podem incluir a participação dos pais, para tornar o jogo mais competitivo e aumentar a aproximação.

Com informações da Unimed do Brasil