A- A+

Blog da Saúde

O que você pode ou não fazer durante a gravidez; confira as dicas

Publicada em 25/09/2019 às 07h
O que você pode ou não fazer durante a gravidez; confira as dicas

Quando o sonho da maternidade se concretiza e a mulher engravida, muitas vezes o planejamento se volta só para a vida do bebê após o nascimento, mas, durante o período da gestação, há muito a ser feito, além de conter a ansiedade para a chegada do herdeiro. A começar que os ginecologistas obstetras são unânimes em afirmar sobre a importância de três pontos-chave a serem observados e acompanhados. São eles:

O PRÉ-NATAL

Ou seja, o atendimento médico é fundamental desde o início da gravidez para acompanhá-la, e também identificar possíveis causas de partos prematuros e/ou probabilidade de a gestante vir a ter complicações na gestação e preveni-las.E, quando não for possível, fazer o tratamento mais adequado para cada situação.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A dieta deve ser balanceada, colorida e conter todos os grupos alimentares: proteínas; carboidratos, principalmente os integrais; gorduras;e os macro e micronutrientes (vitaminas e minerais). Porém, se faz necessária a diminuição do consumo de sal e de carboidratos simples, como açúcar, e outros alimentos feitos com farinha branca; além da gordura saturada, provenientes de carnes gordurosas e embutidos.

PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS

Estudos mostram que gestantes que fazem exercícios têm mais disposição, e menor risco de desenvolver hipertensão e diabetes, melhor controle do peso e maior chance de ter o parto bem sucedido, seja normal ou cesárea,ao final das 40 semanas. Mas, antes de iniciar os exercícios por conta própria, é preciso ter o aval do médico obstetra para saber se não há nenhuma contraindicação, tais como sangramentos, placenta baixa, colo curto, entre outras. Em caso negativo, é possível manter-se ativa durante toda a gravidez.

Os exercícios mais recomendados para a grávida são, de preferência, os que não têm grande impacto ou risco de causar lesões, como, por exemplo, caminhadas, hidroginástica, natação e pilates. A corrida e a musculação leves podem ser praticadas preferencialmente pelas mulheres que já tinham um bom condicionamento físico e eram praticantes das modalidades antes da gestação, mas sempre com baixa intensidade e, ainda assim, com permissão médica.

GRÁVIDA NÃO COME POR DOIS

O mito de que gestante come por dois está sempre à volta da grávida que costuma, sim, ter um aumento do apetite, no entanto, o consumo precisa ser muito bem orientado para que ela não engorde mais do que o bebê precisa para crescer e se desenvolver. De acordo com dados do Ministério da Saúde, uma mulher saudável pode engordar de 8kg a 16 kg, durante toda a gestação, dependendo se ela estava dentro ou fora do peso antes de engravidar. Em linhas gerais, a gestante precisa ingerir cerca de 300 calorias a mais do que estava habituada e, na reta final da gestação, em torno de 400 calorias. Diversos estudos já mostraram que o consumo de açúcar durante a gravidez pode levar a uma diabetes gestacional. É claro que a grávida pode sentir mais fome – e até desejo por alimentos mais calóricos –,mas é preciso manter o bom senso para não fazer desses momentos uma exceção e não uma regra.
 

O QUE NÃO PODE FALTAR NO PRATO

As refeições precisam contemplar todos os grupos alimentares. Por isso, não pode faltar no prato vegetais (folhas e legumes), frutas, carne bovina magra, frango, ovos, peixes cozidos ou assados (sardinha, salmão, atum, pescada, cavalinha), leguminosas (feijão, grão-de-bico, lentilha, ervilha), cereais (arroz, macarrão e pão integrais, além da aveia e do milho, por exemplo), azeite extravirgem, oleaginosas (nozes e castanhas), leites e derivados.


O QUE DEVE SER EVITADO

Durante a gestação, deve-se diminuir o consumo de bebidas ricas em cafeína, como café e chás mate, verde e branco. É recomendado também evitar carnes mal passadas ou cruas, mariscos, maionese, frituras, bebidas gaseificadas, além de bebidas alcoólicas e fumo, que podem afetar o desenvolvimento do bebê.

 

Com informações da Unimed do Brasil

Oficina vai ensinar pais a preparar alimentos para seus bebês; saiba mais

Publicada em 20/09/2019 às 07h
Oficina vai ensinar pais a preparar alimentos para seus bebês; saiba mais

O leite é o alimento completo, fornecendo inclusive água, isento de contaminação e perfeitamente adaptável ao metabolismo da criança. Mas, a partir dos seis meses de vida, o organismo da criança está preparado para recebe outros alimentos, mantendo o leite materno até os dois anos de idade ou mais.

É preciso iniciar a introdução de alimentos complementares de forma lenta e gradual, para suprir as necessidades nutricionais do bebê. Muitos pais, no entanto, se sentem inseguros sobre como fazer a introdução da alimentação complementar.

Para orientar nessa tarefa, a Unimed João Pessoa vai realizar mais uma Oficina de Papinhas. A próxima edição será realizada no dia 3 de outubro, das 13h30 às 17h30, no Viver Melhor, no Bairro da Torre. A atividade, organizada pelo Grupo Mãe e Bebê, é exclusiva para clientes e colaboradoras gestantes ou com bebês, com direito a acompanhante.

A nutricionista do Grupo Mãe e Bebê da Unimed João Pessoa, Paula Bacalhau, explicou que a introdução alimentar deve ser feita aos poucos e partir dos seis meses de vida. “Deve-se iniciar a introdução da alimentação complementar, oferecendo inicialmente alimentos em forma de papinhas (legumes ou frutas amassadas e aumentar gradativamente a sua consistência)”, argumentou.
 

Espaço saudável e jeito de cuidar para comemorar o Dia dos Clientes

Publicada em 13/09/2019 às 14h
Espaço saudável e jeito de cuidar para comemorar o Dia dos Clientes

Incentivar a adoção de hábitos saudáveis e mostrar o jeito de cuidar da Unimed João Pessoa com as pessoas, especialmente, com os clientes. Essa foi a forma encontrada pela Cooperativa para comemorar o Dia do Cliente. A data é festejada no dia 15 de setembro, mas as ações da Unimed João Pessoa começaram nesta sexta-feira (13) e vão até domingo. Nesse dia, as atividades serão, exclusivamente, nos hospitais próprios Alberto Urquiza Wanderley e Moacir Dantas.

Ainda na sexta, para chamar a atenção das pessoas sobre a importância da adoção de frutas na alimentação e, assim, ganhar mais saudável foi montado um espaço nas recepções principais da Operadora e do Hospital Alberto Urquiza Wanderley. Os clientes eram convidados a tomar sucos e ganhavam uma “sacolinha” de frutas para levar para casa.

O espaço montado integra as iniciativas da Unimed João Pessoa dentro da Campanha Mude1Hábito, movimento realizado em todo o país pelo Sistema Unimed para incentivar a população a adotar hábitos saudáveis. O objetivo é mostrar que toda pessoa pode mudar algum hábito para viver com mais saúde.

O servidor público Christian de Almeida Santos, 44 anos, foi um dos clientes que passou pelo espaço e aproveitou para tomar um suco com a sua filha, a pequena Maria Luisa, e deixou a criança escolher as frutas que queria para compor sua sacola. “Achei interessante perceber que a Unimed João Pessoa tem a preocupação de chamar atenção sobre a adoção de hábitos saudáveis, principalmente com relação à alimentação, que repercute diretamente na saúde tanto no presente quanto no futuro”, afirmou.

MAIS CARINHO

Além do incentivo a uma alimentação saudável, a comemoração contou também com uma entrega de brindes para os clientes em atendimento na Unimed João Pessoa: um coração de borracha antiestresse, que demonstra o jeito de cuidar da Cooperativa.

A professora Teresa Cristina da Silveira, 58 anos, cliente há mais de 30 anos se sentiu prestigiada com o carinho que recebeu através das ações da Unimed João Pessoa. “Não tem quem me faça trocar de plano de saúde. Eu sempre fui muito bem atendida pela Unimed JP”, enfatizou.

Saiba como lidar quando a criança se recusa a fazer as refeições; veja dicas

Publicada em 11/09/2019 às 07h
Saiba como lidar quando a criança se recusa a fazer as refeições; veja dicas

Quando o assunto é alimentação, não há um pai ou mãe que não fique com o coração apertado ao ver seu filho se recusar fazer as refeições ou até mesmo dizer que odeia este ou aquele alimento. E, mais difícil ainda é quando o bebê, que acaba de ser introduzido à alimentação, se nega a comer. O que fazer nestes casos? Forçar a criança a experimentar determinado alimento? Fazê-la comer tudo quando esta não é a sua vontade? Ameaçar tirar dela algum brinquedo ou outra coisa que goste muito, caso não aceite provar, pode ser uma alternativa? Segundo os especialistas, nenhuma dessas opções é ideal. Afinal, forçar a criança a comer pode causar problemas com consequências negativas para a vida toda. Neste caso, o ideal é oferecer o alimento várias vezes à criança e em formas diferentes, para que ela evite a rejeição, conheça e aceite o sabor dos alimentos.

 

EXEMPLOS

Engana-se quem pensa que o paladar da criança se desenvolve apenas ao nascer. Estudos comprovam que o bebê começa a desenvolvê-lo ainda no útero da mãe, por volta da 14ª semana de gravidez. Por isso, é tão importante que a futura mamãe se alimente de maneira saudável e variada, sem descuidar depois do nascimento do bebê. Até porque são os hábitos alimentares da família que vão determinar o paladar da criança. E o exemplo dos pais à mesa é essencial. Afinal, a criança pode se recusar a comer um ou outro alimento, o que é normal, segundo os especialistas, mas, se este for um hábito dos pais, com o tempo, eles tendem a se render a ele de forma prazerosa.

 

APRESENTAÇÃO

Há várias formas de apresentar um alimento à criança. Por isso, embora pareça ser muito trabalhoso inventar formas criativas de apresentação do alimento rejeitado à criança, o resultado é compensador. Existem até metodologias para incentivar as crianças a comer, como fazer um prato bonito, colorido, improvisar “desenhos” no prato e até para crianças maiores, contar com a sua ajuda no preparo. Por exemplo, se a criança não come legumes, que tal oferecê-los num colorido omelete, ou mesmo convidá-la a preparar juntos uma saborosa torta, uma lasanha ou um delicioso sanduíche incluindo os ingredientes renegados a outros que a criança goste muito?

ORIENTAÇÕES PRÁTICAS

- Mantenha o hábito de fazer as refeições sempre no mesmo horário da família e em um ambiente tranquilo

- Varie os alimentos e procure oferecer preparações que agradem ao paladar infantil, como arroz colorido, tortas, bolinhos de legumes e almôndegas assadas, variações saudáveis e saborosas com ingredientes que as crianças gostam, como macarrão, batata, mandioquinha, cenoura, brócolis, etc.

- Não obrigue a criança a comer e não insista para que raspe o prato - Evite o famoso “jogo de recompensa”: só comerá a sobremesa, ganhará brinquedo, assistirá desenho, se comer tudo

- Se o pequeno recusar a refeição, não ofereça lanche ou algum alimento preferido por ele. Segundo especialistas, o ideal é deixá-lo sentir fome e novamente preparar um novo prato com a comida recusada ou aguardar a próxima refeição

- Não ofereça lanche, frutas, sucos, nem mesmo o leite materno em horário próximo das refeições

- Seja perseverante. É normal em algum momento do desenvolvimento infantil a criança se recusar a comer. O importante é identificar a causa e desenvolver novas formas de apresentação, para tornar o alimento mais apetitoso aos olhos, ao aroma e ao paladar infantil

 

Com informações da Unimed do Brasil

 

Menos peso, mais saúde e qualidade de vida com ajuda da Unimed JP

Publicada em 09/09/2019 às 07h
Menos peso, mais saúde e qualidade de vida com ajuda da Unimed JP

Que o excesso de peso é prejudicial à saúde isso todo mundo sabe. Seja ele causado por fatores genéticos, hormonais, alimentação inadequada, sedentarismo ou estresse, é necessário combatê-lo para prevenir doença e ter mais qualidade de vida. Mas, a questão é: como fazer para ter uns quilinhos a menos?

Participar de grupos que ajudam a perder peso é uma alternativa para muita gente. E essa foi a forma encontrada pelo funcionário público Daniel Lyra Teixeira, 37 anos, quando sentiu a necessidade de se cuidar ao apresentar problemas de saúde por estar acima do peso. Ele buscou ajuda da equipe do Grupo de Educação em Saúde Equilíbrio do Corpo da Unimed João Pessoa, voltado exclusivamente para clientes que estão acima do peso ou sobrepeso.

“Perdi 5 kg em um mês só com mudanças de hábitos que eu aprendi com a equipe da Unimed João Pessoa. Só tenho elogios a fazer sobre esse grupo”, afirmou. Durante os encontros, ele recebeu orientações sobre a importância de inserir atividades físicas e adotar hábitos saudáveis na sua rotina.

INSCREVA-SE GRATUITAMENTE

O Grupo Equilíbrio do Corpo (GES-EC) é uma das iniciativas de promoção de saúde da Cooperativa. Nele, o beneficiário recebe informações sobre como perder peso de forma saudável e ganhar mais qualidade de vida, por meio de reuniões em grupo, que são conduzidas por uma equipe interdisciplinar, formada por médica endocrinologista, nutricionista, educador físico e psicóloga.

O grupo está com inscrições abertas para nova turma no horário da manhã. Os encontros começarão na próxima quinta-feira, dia 12, das 8h às 12h, no Viver Melhor, na Torre. Para reservar uma vaga, basta se inscrever por telefone, pela internet ou presencialmente (veja quadro abaixo).

Para participar do Equilíbrio do Corpo é preciso preencher alguns requisitos. O cliente deve ter idade acima de 18 anos; Índice de Massa Corporal (IMC) maior que 27 e/ou circunferência abdominal acima de 94 cm para homens e 80 cm para mulheres.

Internet: clique aqui
Telefone: 2106-0430/3506-8700
Presencialmente: Viver Melhor (Avenida Bento da Gama, nº 396, Torre)


CALCULE SEU IMC

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal no indivíduo. Para o diagnóstico em adultos, o parâmetro utilizado mais comumente é o do índice de massa corporal (IMC).

O IMC é calculado dividindo-se o peso do paciente pela sua altura elevada ao quadrado. É o padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que identifica o peso normal quando o resultado do cálculo do IMC está entre 18,5 e 24,9. Veja a tabela completa e descubra o seu IMC aqui. Para ser considerado obeso, o IMC deve estar acima de 30.

Os riscos de desenvolver uma série de doenças são maiores em quem está acima do peso. O obeso tem mais propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, entre outras.