A- A+

Artigos Médicos

Wanicleide Leite

Wanicleide Leite

CRM-PB: 3884 Especialidade: Ginecologista e Obstetra

Os cuidados com o coronavírus e a gestação

Publicada em 06/04/2020 às 14h29

Foi no dia 31/12/2019 que o mundo tomou conhecimento de um agente que ninguém imaginaria que futuramente afetaria uma grande parte da população mundial. Esse agente passou a ser notícia no mundo inteiro, por ser responsável por mais de trinta mil mortes em apenas um trimestre desde a sua descoberta. Trata-se do Novo Coronavírus (COVID-19). A maior preocupação das autoridades é por esse vírus ser extremamente infeccioso e de rápida propagação, e isso gera sobrecarga nos sistemas de saúde do mundo.

Esse vírus, que provoca no ser humano infecção respiratória, tem preferência por grupos de pessoas com o sistema imunológico vulnerável. Nesse grupo se inclui os idosos, diabéticos, hipertensos, pessoas com doenças renais, respiratórias crônicas e cardiovasculares.

Algumas pesquisas realizadas com grávidas infectadas constataram que, inicialmente, as grávidas não estão incluídas como grupo de risco. Em estudos realizados na China, não se evidenciou a passagem do vírus pela barreia placentária, ou seja, a infecção não ocorre da mãe para o feto, também não tendo riscos durante o aleitamento materno. Porém, as grávidas devem redobrar os cuidados por apresentarem uma maior fragilidade no seu sistema imunológico devido às alterações hormonais, por isso, é fundamental que as grávidas procurem assistência médica assim que apresentarem sintomas de febre, espirros, tosse, coriza e, principalmente, falta de ar.

Ainda não se dispõe de estudos suficientes para atestar os possíveis danos para a gestante e o feto, mas especula-se que a infecção pode aumentar os riscos de partos prematuros e abortamentos, mas ainda não se constatou malformações nos fetos das mulheres infectadas.

Cientistas do mundo inteiro estão trabalhando para descobrir o mecanismo biológico que o vírus utiliza para infectar tão facilmente os seres humanos, mas até o momento a conclusão é que o isolamento social é o meio mais eficaz para frear a disseminação do vírus e para que a pandemia seja controlada.