Artigos Médicos

Gente, a pandemia não acabou!

Publicada em 23/10/2020 às 14h

Mirem-se no exemplo daquela Gripe Espanhola!

Produzida pelo vírus Influenza (H1N1), que, depois de sofrer diversas replicações, adquiriu uma capacidade de infectividade, transmissibilidade e letalidade jamais vistas na história da humanidade.

Em meio à 1ª Guerra Mundial, remeteu ao necrotério 40-50 milhões de viventes, três vezes mais do que todas as bombas, morteiros, bazucas, canhões e metralhadoras utilizadas durante os quatro anos da própria guerra.

Uma pandemia que invadiu o mundo surfando em três ondas: a primeira, bem comportada, em março de 1918, sem despertar os devidos cuidados das autoridades sanitárias. A segunda, em agosto do mesmo ano, surgiu cheia de agressividade com expansão para todos os recantos do planeta.

Tanto quanto em 2020, medidas de higiene e distanciamento social foram devidamente adotadas, mas a preocupação com a economia (sempre ela) produziu o relaxamento de contenção da cadeia de transmissibilidade e, nos primeiros meses de 1919, o H1N1, seguindo o seu pedigree infectivo, retornou com toda força.

Debite-se as duas últimas ondas na conta da falta de consciência sanitária, que não permitiu se colocar em prática os devidos rigores exigidos pela violência devastadora do vírus.

Cem anos depois, estamos assistindo ao mesmo filme!

O Sars-Cov-2, sem dar a mínima para as modernizações tecnológicas e avanços científicos, segue assustando o mundo com a perspectiva concreta de retornar com a mesma voracidade do início da pandemia.

- Não sabemos se estamos na segunda onda ou na segunda fase da primeira.

Palavras preocupantes da diretora do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), Andrea Ammon, diante dos eurodeputados em conferência no início de setembro.

A dúvida, para as autoridades sanitárias do velho continente, é se a expansão dos novos casos está relacionada com os últimos contágios da primavera ou o corona resolveu seguir o mesmo percurso do seu colega de infecção, o H1N1, e estaria iniciando uma segunda etapa da pandemia.

As discussões daquela conferência estavam sedimentadas na dura realidade das estatísticas verificadas em apenas uma semana: 300 mil casos novos da covid-19 no continente europeu.

Amplia-se a visão para o resto do mundo e vamos enxergar lá nas estatísticas da Universidade John Hopkins 360 mil casos da virose em apenas um dia, correspondendo a três vezes a média observada no mês de abril.

O novo coronavírus, que aportou no Brasil pela porta de São Paulo, produziu sua primeira tragédia na cidade de Manaus. Tragédia no sentido de comprometer todo sistema de saúde e sufocar literalmente a capacidade de sepultamento das vítimas da infecção.

Um relaxamento das medidas de proteção em junho foi o suficiente para o vírus retornar com sua violência, a entupir os serviços de saúde e aumentar a rotina dos necrotérios.

Diagnóstico da Fiocruz: Manaus vive segunda onda da covid-19.

O professor Roberto Kraenkel, do IFT-UNESP, aponta para uma provável nova onda da pandemia, navegando na total ausência de um rastreamento de infectados pelos serviços públicos, o que gerou precipitações no relaxamento social.

Pandemias, como é do conhecimento geral das nações, se alimentam de contatos entre as pessoas.

O bom comportamento das recentes estatísticas de incidência e mortalidade no país vem desenvolvendo a ideia generalizada do ocaso da covid, produzindo um relaxamento nas medidas básicas de contenção de uma nova estocada do novo coronavírus. Conforme se observa no cenário das praias, bares e restaurantes, onde a pandemia já acabou!

­

­

Sebastião de Oliveira Costa

Sebastião de Oliveira Costa

CRM-PB: 1630

Especialidade: Pneumologia

Mais artigos de Sebastião de Oliveira Costa