Artigos Médicos

O médico fumante e a sociedade

Publicada em 16/03/2008 às 00h

Nenhuma saudade dos tempos em que fumar era charmoso e elegante!

Durante os anos 90, a competência dos programas de combate ao fumo, respaldada pela cumplicidade espontânea da mídia, produziu na sociedade uma marcante reversão de mentalidade, transformando o ato de fumar em algo feio e nocivo. O charme foi substituído por tosse e secreção; o mau-hálito e os dentes amarelos tomaram o lugar da elegância. Hoje, o tabagista é estigmatizado, tornou-se "persona non grata".

Se a população incorporou essa visão do tabagista comum, o que dizer do médico que fuma? O profissional que deveria orientar essa mesma população a evitar o infarto do miocárdio, o enfisema pulmonar, o câncer de pulmão?

Qualquer observador mais atento vai identificar na atitude do colega fumante quatro pecados capitais: um péssimo exemplo para seus pacientes; absoluta omissão no trabalho de informar e educar a comunidade sobre os malefícios do cigarro; desrespeito à s leis vigentes que proíbem fumar em lugares inadequados (alguns cometem o absurdo de fumar em seu próprio ambiente de trabalho); exposição de pessoas saudáveis à nocividade de sua fumaça.

Deve-se admitir que se desvencilhar da nicotina não é tarefa fácil, mas é muito fácil hoje recorrer a métodos eficientes para largar o cigarro. Insistir em cometer todos esses pecados e ainda por cima "suicidar-se" lenta e CONSCIENTEMENTE é erro imperdoável.
Sebastião de Oliveira Costa

Sebastião de Oliveira Costa

CRM-PB: 1630

Especialidade: Pneumologia

Mais artigos de Sebastião de Oliveira Costa