Artigos Médicos

Alergias do inverno

Publicada em 06/07/2012 às 13h11

Alergias do inverno

O filme é reprise e o roteiro é sempre o mesmo. Chegam as chuvas e, com elas, os espirros, a coriza, o nariz obstruído, a tosse, o chiado e o cansaço, sintomas característicos da rinite alérgica e asma brônquica.

Os protagonistas dessa película sem graça atendem pelo nome de ácaros e fungos (mofo), e são coadjuvados pela participação competente das mudanças bruscas de temperatura. A fumaça dos fogos e das fogueiras atuando como figurante fecha o elenco.

O ácaro tem hábito noturno, não convive com a luz do sol e o fungo, quanto mais escuro melhor para se reproduzir. Redundante afirmar que os raios solares são sempre bem-vindos na casa do alérgico.

O quarto de dormir do rinítico e do asmático precisa ser bem iluminado e arejado. Quanto mais luz, menos ácaros, menos fungos, menos tosse, menos coriza, menos cansaço...

É indispensável acrescentar que os sintomas da rinite alérgica (espirros, coriza, congestão nasal) se confundem muito com os do resfriado comum, uma virose bastante frequente nessa época do ano e que, ao contrário da rinite, ocorre sempre acompanhado de febre (ou febrícula).

Atenção redobrada com a asma (tosse, cansaço, chiado), que pode ser grave e, muitas vezes, exige a intervenção médica imediata.

A asma e a rinite costumam andar de mãos dadas, guiadas pela mesma base alérgica. 80% dos asmáticos são riníticos e 30% dos portadores de rinite alérgica em algum momento vão desenvolver a asma brônquica.

Em qualquer um dos casos é sempre prudente agendar uma visita ao especialista.

Sebastião de Oliveira Costa

Sebastião de Oliveira Costa

CRM-PB: 1630

Especialidade: Pneumologia

Mais artigos de Sebastião de Oliveira Costa