Artigos Médicos

Precisamos combater o Cigarro Eletrônico

Publicada em 30/05/2022 às 13h

Que se conceda um Oscar ao cinema americano pela sua imensa competência de transformar o maior produtor de doenças e mortes da história da humanidade num mocinho cheio de charme e elegância. 

Há de se comemorar, no entanto, que depois de muitos anos a reinar absoluto em mentes e corações pelo mundo afora, eis que surgiu uma pedra no caminho: o relatório Terry, divulgado em 1964 pelo Departamento de Saúde dos EEUU escancarou todas as maldades do mocinho.

Considerando o imenso prestígio do cigarro entre os americanos, a realidade exposta naquele estudo promoveu um brutal impacto na sociedade da época. E o mocinho, ao longo do tempo foi lentamente virando bandido. 

No rastro daquele relatório foram surgindo programas antitabaco, que aliados à introdução de leis restritivas, limitando a liberdade de atuação da indústria tabageira, fez surgir uma nova mentalidade no seio da sociedade, base fundamental para jogar definitivamente o prestígio do cigarro na lata do lixo da história.

A indústria do tabaco, na sua infinita competência, foi buscar no Cigarro Eletrônico o trampolim para manter seus apetites lucrativos.

Em 2003, o chinês Hon Link teve a péssima ideia de inventar o CE. Três anos depois, invadiu os Estados Unidos, caiu no gosto dos jovens e atraiu muitos adultos. Daí para chegar ao resto do mundo foi um pulo.

Com o poder de convencimento de onze bilhões de dólares de investimentos promovido pelas gigantes Philip Morris e British AmericanTobacco e muita gente desavisada acreditando que o CE é inofensivo e ajuda os dependentes a romperem com a dependência nicotínica. Na contramão dessa falácia, os estudos disponíveis apontam para os usuários do CE com chances 3 vezes maior de se tornarem dependentes do cigarro tradicional.

Indispensável informar que lá no CE existe a mesma nicotina, que está inserida no mesmíssimo grupo das drogas psicoativas, na companhia, vejam vocês, da cocaína.

E a nicotina, para quem não sabe, além do imenso poder de produzir dependência, participa com muita competência no surgimento de infartos, AVCs, hipertensão arterial.

Ponha-se ainda na conta do CE o câncer de pulmão, boca, laringe.., produzido pelas nitrosaminas, o formaldeído, o acetilaldeído.

E muitas outras substâncias promovendo alterações no sistema mucociliar que vão desenvolver a bronquite crônica. Vale acrescentar também a gengivite e o cancro labial.

Há de se informar ainda que, enquanto o cigarro tradicional desenvolve mais doenças crônicas, o cigarro eletrônico promove a EVALI, doença respiratória agudíssima que no ano de 2019, num surto epidêmico nos EEUU, encaminhou mais de 2 mil norte-americanos aos atendimentos de emergência de rede hospitalar com dor no peito, tosse e insuficiência respiratória grave, promovendo um saldo de mortalidade de 68 pacientes.

No próximo 31 de Maio - Dia Mundial Sem Tabaco, o Comitê de Tabagismo da Associação Médica da Paraíba*, de olho nessa nova realidade, está redirecionando estratégias de ação, dentro da necessidade de se trabalhar com muito vigor a população mais jovem, que anda muito atraída pelos apelos enganosos dos fabricantes do CE. A lamentar ainda, o fato de que esse novo projeto da indústria do tabaco anda colocando em risco a curva descendente do consumo do tabaco no Brasil.

Em fins do século passado 34% dos brasileiros estavam atrelados à dependência nicotínica. A última pesquisa Vigitel do Ministério da Saúde fala em 9,2% de brasileiros sem conseguir se livrar das garras dessa substância, que está inserida, conforme já referido, ao lado da cocaína no rol das drogas psicotrópicas.

A triste realidade é que, quando estávamos vencendo uma guerra, eis que surge o CE potencializado pela força econômica dos fabricantes de cigarros, indicando muitos combates pela frente.

Uma observação nos números disponíveis sobre a utilização do CE  - 20% da população jovem, e vai-se admitir que a sociedade em geral e em especial os pais de crianças e adolescentes precisam ser devidamente conscientizados no sentido de se tornarem parceiros nessa nova guerra contra os gigantes econômicos da indústria do tabaco. 

*Associação Médica da PB

Ministério Público - PB

Sociedade Paraibana de Pneumologia e Tisiologia

Sociedade Paraibana de Pediatria

Sociedade Brasileira de Cardiologia - PB

Conselho Regional de Medicina

Secretaria Estadual de Saúde

Secretaria Municipal de Saúde

Secretaria Estadual de Educação

Secretaria Municipal de Educação

AGEVISA

Unimed JP

Sebastião Costa - Pneumologista CRM - 1630 

Presidente do Comitê de Tabagismo da Associação Médica da Pb

Membro da Comissão de Tabagismo da Associação Médica Brasileira

Sebastião de Oliveira Costa

Sebastião de Oliveira Costa

CRM-PB: 1630

Especialidade: Pneumologia e Alergologia

Mais artigos de Sebastião de Oliveira Costa